Escrito em por , na categoria Ação Contra a Mudança Global do Clima.

RSB – Roundtable on Sustainable Biomateriais, simplicidade com reconhecimento mundial

A sigla RSB (Roundtable on Sustainable Biomateriais – Mesa redonda sobre biomateriais sustentáveis em uma tradução livre) é uma organização global de multiparticipantes independentes que impulsionam o desenvolvimento de uma economia circular em escala global baseada em soluções voltadas a sustentabilidade, certificação no padrão e parcerias colaborativas.

O RSB possui a premissa de fornecer soluções e ferramentas que atuam na mitigação dos riscos que o envolvem o negócio. Contribuindo assim para o alcance nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (ODS da Organização das Nações Unidas).

O padrão Roudtable on Sustainable Biomatariais é considerado como um dos padrões de maior credibilidade e confiabilidade em escala global. Atende o mercado europeu e japonês, em produtos de biomateriais sustentáveis, biocombustíveis e na produção de biomassa.  

O RSB atende inúmeros mercados dos mais diversos possíveis, destacando-se a aviação, os transportes e transportes terrestres a indústria têxtil e de fabricação de fibras. Além da indústria energética e produtora de químicos e polímeros na atuação sustentável.

Os pilares do padrão

O Padrão RSB está fundamentado em 12 princípios de sustentabilidade.  Tais critérios foram desenvolvidos para garantir a abordagem das principais questões ambientais e sociais em torno do uso de combustíveis e produtos feitos a partir de matérias-primas ” bio-baseadas” e avançadas.

Os 12 princípios são:

  1. Atendimento aos requisitos legais
  2. Planejamento e melhoria contínua
  3. Monitoramento da emissão de gases do efeito estufa
  4. Direitos humanos e do trabalho
  5. Desenvolvimento rural e social
  6. Segurança Alimentar local
  7. Conservacionismo
  8. Solo
  9. Água
  10. Qualidade do Ar
  11. Utilização e criação de tecnologias
  12. Regularização fundiária  

Em coerência com os fundamentos da padronização, a RSB possui 5 tipos de certificações, podendo ser “remodelada” especificadamente ao tipo de negócio que irá atender. Além disso, possui Adaptações e versões aplicadas ao modulo voluntário.

  1. A certificação global de combustíveis RSB: Essa certificação é destinada a produtores de biomassa, combustíveis, comerciantes, processadores e transportadores de todas as regiões do mundo. Exceto aqueles que visam atender o mercado europeu, sendo esse uma certificação específica em RSB RED Eu. Referências bibliográficas
  2. RSB RED EU: Destinada aqueles que estabelecem relação de negócio com a União Europeia. O cumprimento dos requisitos da Diretiva de Energia Renovável da EU é reconhecida pela comissão europeia.
  3. Certificação RSB para produtos globais:  Essa certificação é destinada a produtores de biomassa, combustíveis, comerciantes, processadores e transportadores de todas as regiões do mundo.
  4. Certificação RSB para pequenos grupos de agricultores: Criada para apoiar os agricultores que possuem dimensões iguais ou menores a 75 hectares. Possibilita o acesso a certificação de terceiros, fomentando a a demonstração de conformidades aos critérios de sustentabilidade. Tais grupos podem fornecer biomassa no padrão RSB a qualquer processador de bio-base.
  5. Certificação Japão Fit: Destinado a produtores, processadores e comerciantes que trabalham com biomassa sob o sistema de alimentação de tarifas (FIT). Incluindo óleos vegetais e bioprodutos que são destinados a fabricação de energia para o Japão.

O Brasil junto ao RSB

O Brasil é um grande exportador de biomateria prima para inúmeros setores, desde energético a têxtil. Assim sendo, possui um grande papel em questões ao atendimento dos requisitos sustentáveis para quem compra e para quem as vende.

O Brasil é encarregado de avaliar as rotas principais para a produção das rotas alternativas de combustíveis sustentáveis de aviação (SAF) a partir de resíduos, matérias primas diversificadas e multi vegetais. Além disso, espera-se que se desenvolva cadeia de suprimentos fazendo com que o crescimento socioeconômico dos pequenos produtores, cooperativas seja exponencial e duradouro.

O atendimento ao padrão RSB requer algumas adaptações e avanços nas questões sócio ambientais por parte das organizações e produtores, porém de extrema necessidade e urgência para o momento atual, incluindo todos os atores envolvidos na cadeia de logística dos produtos que envolvem carbono, emissões de gases e de tantos outros aspectos ambientais relevantes

Pensando nisso, no mês de novembro, a plataforma oficial do RSB irá promover um evento online com palestras e workshops envolvendo todas as pautas mais importantes para a melhoria e conscientização contínua da sua padronização. Para saber mais sobre o cronograma e do RSB você pode acessar aqui.

Esse é um conteúdo original biO3. Para dúvidas e comentário, entre em contato.

Comentários